quarta-feira, 29 de abril de 2015

Eu sigo em frente... Pra frente eu vou... Será?

De todos os meus blogs, acho que esse é aquele que recebe a versão mais relapsa de mim... Talvez por que ele foi feito para falar da vida em geral e... Sinceramente eu não ando com muita vontade de abrir a boca. Eu recentemente peguei dengue... Fiquei mais de uma semana de cama na minha mãe enquanto ela cuidava de mim e da Lívia. O Ju estava em fase de preparação para a defesa do doutorado e ainda dando aula, não seria a pessoa ideal para cuidar de nenhuma das duas.

Há alguns dias eu voltei à minha programação normal. Será? Não estou sentindo. Sinto é que eu liguei um baita e big "F*d*-se!". Não me conformei, mas meio que aceitei que a minha vida "particular" começa depois das 21h e se encerra às 24h, e que o resto é total e exclusivamente dedicado a Lívia. Só não me conformo por não ser grande coisa para ela nesse período.

Acho que com o pacote de "mãe" deveria vir um senso de disciplina, ordem, e capacidade de se doar incondicionalmente. Mas eu não sou assim: sou indisciplina, bagunceira e egoísta. E enquanto eu passo o dia perguntando "quando vai ser a minha hora?" eu não faço nada.

Tá difícil gente... Tá muito difícil.

domingo, 5 de abril de 2015

Promessas não feitas

Não prometi nada.
Não pediram que eu prometesse nada.
Não fizeram questão.
Não acharam importante.
"O coração é suficiente".
Porque com a gente é sempre diferente.
Então não fiz promessa...
E agora tenho pressa,
De fugir dessa cilada.
E nem se pode apelar para honra...
Porque aí está a coisa engraçada:
Não se pode honrar a palavra não dada.